5GFinance

A 5G vem aí: saiba como o sistema financeiro pode usá-la

A transformação digital já trouxe uma série de novas tecnologias disruptivas e oportunidades para vários segmentos do mercado. E a evolução não para! Ela precisa acontecer constantemente em todos os setores. Uma das ferramentas que promete impulsionar a digitalização dos negócios, no setor financeiro, é o 5G.

A nova rede promete levar a banda larga móvel a altíssimos padrões de velocidade de conexão e de usuários simultâneos. Com uma cobertura mais ampla e eficiente e maiores transferências de dados, as instituições financeiras terão condições de oferecer serviços revolucionários usando a rede 5G.

Neste post, você confere o conceito da tecnologia e as possibilidades de uso dela no sistema financeiro. Continue lendo o artigo!

O conceito de 5G 

O 5G nada mais é do que a quinta geração das redes móveis. Como sucessora da rede 4G, ela traz algumas características únicas. A alta velocidade de conexão e download de dados, que varia de 600 Mb/s a até 2 Gb/s, é apenas uma delas. 

Contudo, muito além de oferecer uma maior velocidade de conexão de dados, o 5G vem para viabilizar a Internet das Coisas. É esta rede que irá permitir não apenas a o uso da Alexa e dos vestíveis, mas também a construção de cidades inteligentes, com tudo conectado.

De imediato, o 5G traz em sua estrutura vários recursos que podem beneficiar empresas e clientes. Confira 4 deles:

  • Velocidade máxima de até 20 Gbps: várias vezes mais rápida que as redes atuais;
  • Latência muito baixa: até 1 milissegundo;
  • Alta confiabilidade: com 99,99% de disponibilidade de rede para comunicações de missão crítica;
  • Capacidade melhorada: pode suportar um milhão de dispositivos conectados por quilômetro quadrado e permite que as operadoras de telefonia móvel criem várias redes virtuais em uma única rede 5G física.

Adoção do 5G no Brasil

No Brasil, os esforços para implantação do 5G seguem a todo vapor. Publicada no início de fevereiro, a portaria do leilão para a rede prevê a criação de cinco blocos na faixa de 3,5 Ghz. Além desta, são previstas outras três faixas: de 700 MHz, 2,3 GHz e 26 GHz. 

A portaria estabelece que nas licitações da 5G a Anatel deverá atrelar as faixas ao incentivo ao compartilhamento de infraestrutura ativa e passiva, incluindo postes, torres, dutos e condutos. 

Além disso, o documento prevê compromissos de abrangência para a entrega:

  • Do serviço móvel 4G ou superior nas cidades, vilas, áreas urbanas isoladas e aglomerados rurais com população superior a 600 habitantes;
  • Da cobertura em rodovias federais; 
  • Das redes de transporte de alta velocidade, preferencialmente em fibra óptica, para municípios ainda não atendidos. 

Logo, a 5G estará em todos os cantos do País.

O 5G como oportunidade para o setor financeiro

Mas, afinal, de que maneira essa nova rede pode transformar o sistema financeiro

O 5G traz uma série de novas possibilidades para bancos, seguradoras, fintechs e insurtechs. Com uma rede mais robusta é possível entregar serviços e produtos muito mais completos.

Confira, a seguir, 4 aplicações do 5G que prometem impulsionar a transformação digital do mercado financeiro!

Melhoria do experiência do cliente

Com o 5G será possível experimentar a realidade virtual e aumentada em smartphones, levando a experiência do cliente para o próximo nível

 Além disso, as agências físicas podem adotar o uso de robôs, habilitados para 5G, treinados para interagir com os clientes e ajudá-los nas transações financeiras. 

De outro modo, o uso dos smartphones aliado à velocidade na entrega de dados tende a facilitar a entrega de conteúdo de marketing ou de consultoria aos clientes no momento em que eles mais precisam.

Comunicação mais eficaz

O ganho de velocidade na conexão certamente levará ao aumento do uso de celulares para transações financeiras. 

Com isso, a demanda por atendimento rápido também tende a crescer. A boa notícia é que o 5G permitirá ir muito além do chatbot. A conectividade de vídeo é perfeita para que os gerentes possam atender com agilidade e conveniência as consultas e solicitações dos clientes.

Além disso, é possível conectar todas as áreas e agências da instituição financeira usando serviços confiáveis ​​baseados em vídeo. Uma iniciativa que contribui para aumentar a produtividade.

Pagamentos instantâneos e digitais

Com o 5G, você pode descomplicar os pagamentos. Como a rede irá impulsionar a Internet das Coisas, os pagamentos podem ser incorporados a qualquer dispositivo para reduzir o atrito neste tipo de transação. 

A conectividade confiável e onipresente pode eliminar os cartões físicos, fazendo deles coisas do passado. 

Prevenção de fraudes

O 5G também pode ajudar a reunir uma infinidade de dados de várias fontes e processá-los mais rapidamente. 

Desse modo, é possível atuar com foco na minimização de riscos e prevenção de fraudes, contribuindo para o compliance e a governança da instituição. 

5G já é realidade em outros países 

De acordo com o Observatório Europeu para o 5G, criado em 2018 pela Comissão Europeia, o 5G já é comercializado em nove países, sendo eles: Alemanha, Áustria, Finlândia, Irlanda, Itália, Espanha, Estônia, Reino Unido e Romênia.

Destes, apenas o Reino Unido dispõe de 5G comercializado por todas as operadoras atuantes no território nacional. Já Áustria, Alemanha, Irlanda, Itália e Romênia tem duas ou mais empresas fornecendo este tipo de conexão.

O Japão liberou a frequência para 5G em 2019 e já planeja implantar a 6G até 2030, que será 10 vezes mais veloz que a 5G

Contudo, são os Estados Unidos e a China que disputam lado a lado a corrida pelo 5G. O Brasil pode escolher pelo modelo de um dos dois países e essa é, acima de tudo, uma decisão política. A possível entrada da chinesa Huawei no mercado de 5G brasileiro pode fragilizar a relação de cooperação entre Brasil e Estados Unidos.

Como se vê, ainda há muito a ser definido e consolidado no que diz respeito à consolidação do 5G no Brasil. Mas as empresas precisam saber que essa transformação está em curso para fazer dela uma oportunidade.

Quer saber mais sobre o avanço da transformação digital e os impactos no sistema financeiro? Continue acompanhando o Trends.