FinanceAPI

Como inovar utilizando as APIs – Application Programming Interface

A transformação digital já é uma realidade nas empresas brasileiras. Tanto as grandes companhias quanto as startups estão baseando seus negócios em novas tecnologias e no design de serviço. No entanto, para criar produtos inovadores e colocá-los no mercado, é preciso realizar sua construção de forma rápida e sem perder a qualidade. Uma maneira de fazer isso é utilizando APIs, sigla em inglês para Application Programming Interface ou Interface Programável de Aplicativos.

Para quem não faz ideia do que sejam APIs, a comparação mais simples é com a tomada elétrica: a caixinha que enxergamos acoplada à parede é a parte visível da energia, mas por trás dela há os fios, o sistema de transmissão, as usinas hidrelétricas – um conjunto de etapas que garante que a energia chegue quando plugamos um aparelho na tomada. Da mesma maneira funcionam os botões que apertamos em computadores e aplicativos para celular. Por trás deles, APIs comandam outras partes de um programa a realizar determinada função, que juntas formam todo o processo do app. Imagine-as como pecinhas de tecnologia que podem ser encaixadas em outros lugares.

Um bom exemplo de construção de inovação com base em APIs são as diversas ferramentas do Uber. O aplicativo de transporte utiliza uma API para realizar seu serviço de geolocalização (no caso, do Google Maps), outra para a função de cobrança do cartão de crédito e uma terceira para o chat entre o motorista e o passageiro. O Uber não construiu nenhuma dessas ferramentas. Se tivesse, levaria muito mais tempo para testar seu produto, validá-lo e lançá-lo no mercado. Em vez disso, aproveitou as pecinhas eficientes que o mercado já havia disponibilizado.

As APIs também podem ser extremamente úteis durante a fase de testes de um produto ou serviço. Se uma empresa tem uma ideia, mas não consegue construí-la do zero na rapidez necessária, uma solução é buscar APIs no mercado para compor esse produto inovador e implementa-lo, testa-lo e valida-lo no mercado.

Tão interessante quanto o fato de que empresas podem utilizar APIs para criar novos produtos é a possibilidade de transformar qualquer programa em uma API. O Google, como já foi mencionado, construiu uma ferramenta muito eficiente de mapas e navegação que hoje é utilizada pelos mais diferentes serviços e empresas, desde jogos de celular até transporte de carga. Isso significa que as empresas podem usar as APIs como uma nova fonte de receita, transformando suas próprias ferramentas em APIs utilizadas por outros negócios. Um banco que possui um sistema de aprovação de crédito muito eficiente e veloz, por exemplo, pode transformá-lo em uma API e vender para varejistas que oferecem crédito aos clientes. Outras empresas e empreendedores utilizarão esse serviço para outros fins que o banco talvez nunca teria imaginado.


Inovação aplicada

A maioria dos aplicativos de serviços hoje são compostos por APIs. No entanto, esse movimento começou há mais de 15 anos, grandes companhias de tecnologia como Google, Facebook e Twitter já utilizavam esse recurso para disponibilizar seus serviços.

Mas por que uma empresa colocaria uma inovação proprietária, que levou anos para desenvolver e atingir a qualidade e eficiência desejadas, à disposição de outras empresas e até mesmo concorrentes? Bem, as APIs não precisam ser doadas. É possível estabelecer um modelo de negócio para a utilização daquele serviço, por exemplo, estabelecendo uma cobrança a cada uso. Dessa forma, mantendo a API pública, a empresa consegue se posicionar como uma plataforma de tecnologia naquele segmento, fornecendo soluções digitais ao mercado.

Há companhias que preferem não compartilhar com o mercado, mas no mínimo elas podem manter essas APIs de maneira privada e dar acesso aos colaboradores e outros times que estejam trabalhando em diferentes projetos de inovação. A terceira possibilidade é o compartilhamento dessa tecnologia apenas para parceiros e fornecedores, mantendo a API pública apenas para os participantes do processo da empresa.

Para ilustrar essa ideia, imagine uma empresa que deseja construir uma plataforma de viagens que possui um sistema de previsão de tempo. O objetivo é saber quais são os melhores lugares para onde viajar a cada período do ano. Em vez de construir uma ferramenta de meteorologia, pesquisa de voos e preços de hotéis, é muito mais simples pegar as APIs que já foram validadas pelo mercado e testar esse novo produto com um público restrito. Se for um sucesso, talvez a empresa nem queira construir suas próprias ferramentas, apenas dar um design de serviço mais aprimorado com o branding da empresa.


Portal de Inovação

As APIs são também uma forma das empresas se tornarem plataformas de serviços, ou seja, ter seu processo digitalizado de ponta a ponta. Além de disponibilizar suas ferramentas para o mercado e criar um modelo de negócio em cima delas, por que não tornar toda a sua atividade digital?

Imagine, por exemplo, uma empresa de logística na qual o usuário pode inserir o endereço de origem e destino pelo celular e o volume da carga. O sistema, por sua vez, calcula a distância entre os dois pontos, valor do frete e o prazo de entrega. Com a finalização do pedido, um motorista vai até o local buscar o produto a ser transportado. Essa já não é mais uma empresa de transporte de carga, mas uma plataforma de logística.

Entendendo a relevância das APIs para a transformação digital, o GR1D construiu uma plataforma para as empresas a transformarem seus negócios a partir dessas ferramentas. As pecinhas ficam abertas ao mercado na Innovation Cloud do GR1D – um portal de inovação que reúne APIs de diversos parceiros e setores. É o caso das APIs do Meu Câmbio, serviço de compra de moedas estrangeiras de forma online, e da Ingresso.com, que permite a consulta a filmes em cartaz, salas de cinemas e horários de exibição.

O time do GR1D é responsável por encontrar no mercado e disponibilizar na Innovation Cloud o maior número de APIs, criando uma plataforma de transformação digital para empreendedores e empresas que desejam inovar de forma rápida e aproveitando o que já existe de melhor. Também elabora um modelo de pagamento para as donas das ferramentas, e realiza o meio campo entre os compradores e a empresa.

As APIs são grandes aliadas na transformação digital e, para não ficar para trás, é preciso adota-las e implementa-las nos negócios. As soluções estão disponíveis àqueles que desejam conectar-se ao futuro e criar produtos inovadores.

*Rogério Melfi