Finance

Sistema financeiro: principais desafios para 2020

Ao longo de 2019, instituições bancárias tradicionais e fintechs voltaram esforços para uma jornada de inovação e digitalização dos negócios, considerando a importância do cliente e buscando oferecer o melhor para ele. Contudo, esse é um desafio contínuo, que se renova com a chegada de um novo ano.

Até mesmo porque a tecnologia evolui rapidamente, a transformação digital não para e o consumidor está cada dia mais informado e exigente. Neste contexto, as instituições do sistema financeiro precisam se planejar para fazer diferente, oferecendo produtos e serviços inovadores.

Mas, afinal, o que está por vir em 2020? Quais serão os principais desafios a serem superados? Um deles, sem dúvida, é preparação para a LGPD, prevista para entrar em vigor em agosto. 

Quer saber mais e conhecer os outros desafios para 2020? Avance na leitura deste artigo e prepare-se.

LGPD entra em vigor em 2020

Sancionada em agosto de 2018, a Lei n° 13.709, conhecida como Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), entrará em vigor em agosto de 2020. O documento legal visa assegurar a proteção de dados pessoais dos clientes. Isso porque a LGPD aponta como as empresas devem guardar as informações dos consumidores, bem como de que maneira devem ser transparentes, indicando os dados que possuem.  

Na prática, a LGPD destaca a importância do cliente e da sua privacidade, já que diz respeito ao modo como os dados pessoais dele, como o nome e sobrenome, CPF e RG, além de dados como raça, religião, sexualidade e opinião política, são classificados como "sensíveis", requerendo proteção e segurança, e sendo acobertados pela lei.

Sabendo que a LGPD entra em vigor no próximo ano, o desafio das organizações do sistema financeiro é se planejar para essa mudança. Somente assim será possível superar com sucesso essa fase de adaptação às novas exigências relacionadas ao padrão de segurança das informações e impostas pela lei.

Pagamentos Instantâneos

Em breve, os clientes deixarão de esperar um dia útil para receber um valor transferido via DOC. Isso porque, em 2020, o pagamento instantâneo, sistema de transferências bancárias automáticas que funciona 24 horas por dia, sete dias por semana, deve começar a ser usado também no Brasil.

Essa é uma das principais tendências e também desafios para as instituições que compõem o sistema financeiro.

Como a modalidade de pagamento instantâneo envolve menos intermediários no processo, certamente ela será mais rápida e mais barata do que as transações com cartões ou DOC e TED. 

Além disso, com o amplo uso do pagamento instantâneo, as altas taxas referentes às transferências de recursos devem ser eliminadas. 

Vale destacar que o sistema financeiro já vem sendo impactado pela competitividade no mercado e pelo amplo leque de serviços e produtos oferecidos por fintechs, bancos digitais e marketplaces. A modalidade de pagamento instantâneo é mais um aspecto que desafia as instituições a buscar maneiras de se diferenciar dos concorrentes. 

Open Banking

O compartilhamento de dados e serviços do sistema financeiro, usando a estratégia de abertura e integração das informações, seguindo regras bem definidas, leva à criação da estrutura de um open banking

A plataforma visa estimular o desenvolvimento de modelos de negócios que sejam capazes de simplificar a comparação entre produtos e serviços do sistema financeiro

Com o open banking, outras instituições financeiras e empresas autorizadas pelo Banco Central também podem oferecer novos produtos bancários. Para os clientes, o potencial do open banking é igualmente importante. 

Além de tornar o sistema financeiro mais competitivo e eficaz na entrega produtos e serviços, inclusive operações de crédito e de pagamento, para o consumidor, o open banking garante um compartilhamento eletrônico seguro e ágil. Ele atende e respeita os requisitos de consentimento do cliente garantindo mais transparência aos processos.

Foco no Cliente

Com o avanço da transformação digital, sabendo da importância do cliente e das suas exigências, as organizações financeiras estão se reinventando, buscando inovar e oferecer o melhor aos consumidores, no intuito de vencer, inclusive, empresas não-financeiras que ingressaram no setor.

A competitividade não para de aumentar e as instituições bancárias precisam saber como se posicionar neste novo cenário. Contudo, elas não conhecem o perfil do seu cliente.  

De acordo com estudo recente da Forrester, encomendado pela Collinson, líder global em benefícios e fidelização, o desafio é imenso porque as organizações precisam compreender a importância do cliente e, principalmente, conhecê-lo. 

A pesquisa apontou que 66% das empresas financeiras do mundo com lucro maior que US$ 300 milhões não sabem porque seus clientes são fiéis a elas.

Acontece que hoje, mais do que em qualquer outro tempo, conhecer o perfil do consumidor e mapear as demandas dele é prioridade para uma estratégia de atuação consistente, que indique o caminho rumo ao sucesso. 

Por isso, em 2020, as instituições bancárias precisam manter o foco no cliente, para saber como atendê-lo da melhor maneira possível. 

Novos Concorrentes 

O mercado financeiro está cada dia mais plural: fintechs, Big techs e programas lançados pelo varejo vêm se multiplicando, tornando a disputa pelo consumidor ainda mais acirrada.

Há de se considerar ainda que algumas iniciativas fomentam essa competitividade, como a criação do chamado "sandbox regulatório". Ele visa estimular a atuação de fintechs, porém sem submetê-las às regras mais rígidas aplicadas às instituições tradicionais.

Portanto, lidar com os novos concorrentes e com um mercado em expansão é um dos desafios das empresas financeiras para 2020.

Deseja saber mais sobre a importância das tendências de transformação digital para o sistema financeiro? Continue acompanhando o Trends!