FinanceBiometria

Tecnologia para o setor financeiro: conheça a biometria

Em 2023, o mercado global de biometria deverá crescer mais de 15%, atingindo mais de US$ 24 bilhões. No entanto, apesar de muitas das tecnologias biométricas comumente adotadas atualmente serem decorrentes do Vale do Silício, como o Touch ID da Apple, apenas 30% desse mercado em crescimento virá da América do Norte

Grande parte desse progresso ocorre em mercados emergentes como América Latina e Ásia. Desenvolvimentos recentes nessas regiões mostraram a capacidade de incorporar rapidamente a biometria como uma tecnologia para o setor financeiro.

Você já parou para pensar em como será o futuro da biometria? Saiba mais sobre este assunto no post.


Qual é o conceito de biometria?

Biometria consiste no estudo de características humanas físicas ou comportamentais que podem ser usadas para identificar digitalmente uma pessoa e conceder acesso a sistemas, dispositivos ou dados.

Exemplos desses identificadores biométricos são impressões digitais, padrões faciais ou voz, entre outros. Cada um desses identificadores é considerado exclusivo do indivíduo e pode ser usado em conjunto para garantir maior precisão da identificação.

A autenticação biométrica funciona comparando dois conjuntos de dados: o primeiro é predefinido pelo proprietário do dispositivo, enquanto o segundo pertence a um visitante. O importante a ser observado é que a correspondência deve ser quase, mas não exatamente idêntica. Isso ocorre porque é praticamente impossível que as informações biométricas correspondam a 100%.

A autenticação por verificação biométrica está se tornando cada vez mais comum em sistemas de segurança corporativa, pública e aplicativos de ponto de venda. 

Como a biometria pode fornecer um nível razoável de confiança na autenticação de uma pessoa com menos atrito para o usuário, ela tem o potencial de melhorar drasticamente a segurança.

Computadores e dispositivos podem ser desbloqueados automaticamente quando detectam as impressões digitais de um usuário aprovado. As portas da sala do servidor podem ser abertas quando se reconhecem os rostos dos administradores. Os sistemas de suporte técnico podem obter automaticamente todas as informações relevantes quando reconhecem a voz de um funcionário.

Além da segurança, a motivação da verificação biométrica tem sido a conveniência, pois não há senhas para lembrar ou tokens de segurança para transportar.


A biometria no Brasil hoje

Em 2006, o Bradesco se tornou o primeiro banco no Brasil a começar a usar o ID biométrico em seus caixas eletrônicos - leitores de veias manuais. Além do sistema de identificação com cartão + mão do Bradesco, também há a opção de receber dinheiro sem cartão - os consumidores apenas colocam a mão no scanner e inserem a senha.

Os bancos no Brasil adicionaram ID biométrico para lidar com os desafios que os EUA não enfrentam. Por exemplo, os CPFs podem ser facilmente falsificados, aumentando o número de contas bancárias fraudulentas. 

E há também um problema de analfabetismo. Quando as pessoas recebem os pagamentos mensais de auxílios governamentais como o Bolsa Família, há enormes filas de pessoas esperando ajuda. 

Em maio de 2019 o banco Neon, em parceria com a Visa, lançou aos clientes um recurso que permite a realização de compras on-line a partir da realização da biometria. O método é usado quando a verificação é solicitada pelo estabelecimento comercial. Desde o lançamento dessa forma de autenticação, não houve fraudes.

A Mastercard, principal concorrente da Visa, também disponibiliza no Brasil um sistema parecido. É o Identity Check Mobile, que utiliza tanto o reconhecimento facial como a biometria para verificar a identidade de quem está com o cartão, simplificando as compras on-line.

O funcionamento é simples e o titular do cartão não precisa mais gravar senhas, tornando a experiência de compras mais prazerosa. Disponível em outros 13 países, a Mastercard também estuda o desenvolvimento de outra maneiras disruptivas de autenticação, como a frequência cardíaca - que seria reconhecida com a utilização de dispositivos vestíveis. 


Biometria como tecnologia para o setor financeiro

Segundo um relatório da Technavio, 36% do crescimento do mercado global de biometria virá da região Ásia-Pacífico. Nesta região, a China já está à frente do resto do mundo no que diz respeito aos pagamentos biométricos autorizados.

De fato, a adoção da biometria é tão rápida que o dinheiro está se tornando obsoleto na China. Apenas o mercado de pagamentos móveis vale cerca de US$ 12,8 trilhões, liderado por aplicativos de impressão digital para pagamento, aproximadamente 50 vezes o valor do mercado de pagamentos móveis no país. 

O AliPay, o maior aplicativo de pagamento da China, lançou recentemente um recurso experimental de 'sorria para pagar' em uma filial da KFC no sul da China. O método usa reconhecimento facial para identificar o cliente em um terminal e cobra automaticamente por meio do aplicativo de pagamento. A loja não possui caixas e a coleta de pedidos é quase instantânea.

A Coreia também usa autenticação biométrica para tornar a experiência de compra mais rápida e conveniente. Uma loja de conveniência de Seul tornou-se a primeira no mundo a usar um recurso biométrico que examina as veias da mão de um usuário para identificar compradores registrados e solicitar o pagamento de sua conta. 

No entanto, embora a Ásia possa liderar o crescimento biométrico, está longe de ser a única região em que essas tecnologias estão transformando as atividades diárias. De acordo com a ABI Research, o mercado de cartões de pagamento biométricos deverá ter um crescimento significativo na Europa até 2021. 

A utilização da impressão digital no setor bancário do Oriente Médio também aumenta. O banco Emirates NBD lançou um terminal bancário automatizado para abrir novas contas autorizadas por assinaturas biométricas.